Crescimento Espiritual : 2013

Pesquisar este blog

O cristão deve comemorar o Natal?

O cristão deve comemorar o Natal?Há séculos se debate se os cristãos devem ou não comemorar o Natal. O motivo é a constante associação da data escolhida (25/12) com o culto pagão ao deus-sol. Nesta data os povos antigos celebravam a saturnália e o solstício de inverno. O nome saturnália refere-se ao deus saturno ou as festas em sua honra.
Jesus foi identificado nos primeiros séculos com o deus-sol. Tertuliano, um dos principais teólogos da época já ensinava que o sol não era o Deus dos cristãos. O costume de trocar presentes era, segundo Tertuliano, parte da saturnália. Portanto, o costume de dar presentes de natal não é originalmente ligado ao relato de Jesus recebendo algo dos magos.
A Igreja Católica oficializou a celebração de Natal no terceiro século e o que era pagão, foi cristianizado. Com a reforma protestante, a maioria dos costumes de final de ano foram preservados.
No Brasil, o apóstolo Rene Terra Nova tem divulgado uma campanha de “esclarecimento”. Em seu site oficial, ele publicou um longo texto intitulado “Por que não celebramos o Natal”, onde aponta uma série de motivos pelos quais os cristãos não deveriam celebrar a data. Ele escreveu:
“O Natal, atualmente comemorado em 25 de Dezembro, é uma festa pagã e não tem a aprovação de Deus; Jesus não está nesse negócio. Uma festa que nada tem a ver com Jesus, é pagã. Não é agradável ouvir essas coisas, mas precisamos arrancar toda mentira na qual estávamos vivendo… Jesus não está aí, tal adoração é para um santo católico chamado Nicolau, que é Papai Noel. A aceitação é quase cem por cento, porque incutiram isso na nossa mente quando éramos crianças. Mas, Deus levantou um povo para desmascarar o inimigo. Deus quer nos ver esclarecidos e em equilíbrio espiritual. Todo esse paganismo não é um equívoco, é uma mentira. Equivocar-se com algo é uma coisa, mas conscientemente fazer uma aliança com o inimigo, com a idolatria e com os deuses pagãos, não é um equívoco; ensinar tudo isso para as nações da terra é querer enganá-las e prendê-las debaixo de um jugo. Roma fez isto. Iludiu as nações da terra pelo mesmo principado que agia desde a Babilônia”.

O perdão que vence a culpa

“Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo“ ( Rm 8.1 )
O sentimento de culpa atormenta-nos a todos, quer sejamos religiosos ou não. A maneira humana de lidar com a culpa é a expiação. Os estudiosos da “psiquê” humana asseveram que muitas doenças físicas e psíquicas, acidentes e frustrações na vida pessoal e profissional são tentativas de auto-expiação; isto é, uma forma de punição que o sofredor administra a si mesmo com o propósito de “saldar a dívida” advinda da culpa.
Ora o moralista usa a sua religiosidade, ou código moral, a fim de reprimir a culpa. Contudo, reprimir, esconder, projetar ou negar a culpa, não resolve os tormentos com os quais sofre a mente culpada.
O que se sente “pecador” e “miseravelmente e desgraçadamente” culpado, por sua vez, busca livrar-se da culpa mediante a expressão pública das suas faltas. Quase sempre, contudo, este mecanismo revela-se como uma falsa humildade ou pseudo arrependimento, haja vista que a autocomiseração também é uma tentativa de auto-expiação.
O caminho para a solução do problema da culpa é simples! No Evangelho de Jesus Cristo, aliás, tudo é demasiadamente simples! O início da caminhada depende, contudo, da decisão humana de romper com seus mecanismos de defesa e de auto expiação e assumir a responsabilidade pessoal pelas faltas cometidas, transgressões, erros e delitos.
Reconhecer a culpa e a insuficiência dos nossos esforços de auto expiação é fundamental, mas não é suficiente. A Palavra de Deus ensina-nos que “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a nossa injustiça” (I João 1.9).
Confessar, contudo, não é simplesmente fazer um relato das faltas, como se Deus precisasse ser informado sobre nossos atos. Afinal, Ele conhece todas as coisas (Hebreus 4.13). Confessar é acima de tudo concordar com Deus no fato de que meus erros transgridem a Sua vontade, reconhecer que sou merecedor da condenação, crer que Jesus Cristo se fez condenação em meu lugar, efetuando o pagamento da minha dívida ao levar sobre si a minha culpa, e decidir voluntariamente e prazerosamente cumprir a Sua vontade.
Não existe confissão verdadeira sem arrependimento verdadeiro. Arrependimento é o reconhecimento da culpa. É despojar-me das máscaras e das sutilezas auto-expiatórias da repressão e autocomiseração e crer na obra propiciatória de Cristo. O senso de culpa que nos leva a Deus nos revela, assim, o seu amor e o seu perdão.

Coragem, o segredo para uma vida vitoriosa

Uma pessoa que confia que Deus está no controle de seu viver desempenha bem qualquer tarefa designada pelo Senhor. Ela possui em alto grau a combatividade, que lhe confere resistência, coragem e determinação para romper barreiras que dificultem suas conquistas; irradia esperança, alegria e bom humor, contagiando aqueles com os quais convive. 
Quem busca uma vida bem-sucedida segundo os princípios divinos mantém o equilíbrio, pois desenvolve o fruto do Espírito (Gl 5.22), está sempre pronto para ajudar e para dizer uma palavra amável, gestos apreciados pelos que o cercam. 
Essa pessoa não permite que pensamentos negativos penetrem sua mente, assim como o apóstolo Paulo aconselhou em Filipenses 4.8. Paulo entendia o segredo de uma vida positiva. A semente começava em sua mente. Portanto, tenha cuidado com o que povoa seus pensamentos.
A atitude de uma pessoa frente às circunstâncias depende da maneira como ela as encara. É o que observamos em Provérbios 23.7: Assim como você pensa na sua alma, assim você é (adaptação da autora).
Veja em você uma pessoa escolhida, amada, valorizada e chamada por Deus para cumprir Seu desígnio na terra. Não se deixe abater pelas adversidades. Os obstáculos devem motivá-lo a lutar e acreditar em sua vitória. 
Uma pessoa que crê em sua vitória tem no rosto um sorriso de otimismo. Seus lábios não pronunciam palavras de derrota. Em Provérbios 18.21 está escrito: A vida e a morte estão no poder das palavras (adaptação da autora). Que a sua boca seja um canal para profetizar as promessas de Deus. Quem confia no Senhor mantém o espírito tranquilo, animado, e não é egoísta. A confiança em Cristo reflete a determinação nos propósitos.

Quando as Forças se Acabam

 
Difícil é permanecer firme logo após uma derrota,
Difícil é ficar calado quando se tem vontade de explodir,
Difícil é abrir mão quando é o que mais se quer,
Difícil é recomeçar quando não se tem mais forças,
Difícil é olhar para o alto quando não se consegue levantar a cabeça,
Difícil é ficar de pé quando a vontade e deitar-se,
Difícil é demonstrar uma alegria quando a alma chora,
Difícil é fingir estar vivo quando por dentro está morto,
Mais, difícil mesmo é ir para o abismo quando se sabe que existe um paraíso a espera.
Tudo é difícil na vida e mais difícil fica para os que tudo dificultam. Nenhum de nós por mais dificuldades e problemas que tenhamos, iremos sofrer mais do que o Senhor Jesus, no entanto Ele não desistiu de ir até o fim. Difícil foi o ministério Dele, amar e perdoa aos que queriam o seu fim, muitos pode dizer, mais Ele foi o filho de Deus, certamente, mais aqui na terra Ele estava cem por cento, homem, foi perseguido, caluniado, difamado, acusado levianamente.
Sendo acusado pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos, nada respondeu. Apanhou, sofreu, chorou, Jesus chorou (Mt 27.12). Festejou, E foi também convidado Jesus e os seus discípulos para as bodas (João 11.35). Sentiu saudade, Jesus pois, quando a viu chorar, e também chorando os judeus que com ela vinham, moveu-se muito em espírito, e perturbou-se (João 2.2) . Reclamou, brigou, E entrou Jesus no templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas (João 11.33); Sentiu tristeza, Então lhes disse: A minha alma está cheia de tristeza até a morte; ficai aqui, e velai comigo (Mt. 21.12). Foi tentado, Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo (Mt. 26.38). Porém não perdeu a identidade de filho de Deus (Mt. 4.1).
Ele entendia que todos esses sentimentos e situações eram passageiros e necessários para o seu ministério cumprir-se. E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres (Mt. 26.39). Se Ele não quisesse passar por tudo isso logicamente ele não passaria, porém a sua missão aqui na terra estaria incompleta, a obra prima da criação do seu Pai seria aniquilada.

A ousadia de Pedro!

 
Pedro ali foi corajoso e ousado e se aventurou em uma nova experiência.
Se esperarmos que todos os nossos medos desapareçam antes de dar algum passo, nunca faremos um progresso significativo.
O verdadeiro amor lança fora todo medo.
Os discípulos estavam apavorados quando viram Jesus caminhando sobre as águas. “Então Pedro disse: ‘ Se é o senhor mesmo, mande que eu vá andando em cima da água até onde o senhor está’ ‘Venha’! – respondeu Jesus. Pedro saiu do barco e começou a andar em cima da água em direção a Jesus. Porém quando sentiu a força do vento, ficou com medo e começou a afundar. Então gritou: ‘ Socorro, Senhor! ‘
Imediatamente Jesus estendeu a mão e segurou Pedro. (Mateus 14. 28-31)
O medo nos paralisa, Pedro ao sentir a força do vento ficou com medo e começou a afundar.
Então imediatamente gritou por socorro e imediatamente Jesus estendeu a mão e segurou Pedro.
Posso aplicar esse texto nos dias de hoje, quantos de nós somos afrontados por uma força maior que tenta nos paralisar? E quantas das vezes somos de fato paralisados pelo medo de não conseguirmos chegar ao nosso destino ? E nos vemos pedindo socorro a Deus porque acabamos paralisados diante de uma circunstancia , onde nos faz afundar....


Mude essa situação!!!

 
Deus tem o poder de fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos.
Você consegue entender, a imensidão do poder de Deus?
Ele fez o céu o mar e tudo que há no universo, e você pensa que está incomodando a Deus em pedir a ele que mude a sua situação a qual você está vivendo?
Existem neste momento pessoas brigando por um divórcio, mães e pais com filhos nas drogas, vidas desenganadas por médicos que não compreende o poder de Deus.
Deus ele restaura alianças.
Deus tem o poder de fazer um usuário de drogas se tornar pastor de multidões.
Ele tem o poder de curar.
Não se limite em ter um relacionamento com Deus pelos seus erros do passado.
O seu passado não pode te condenar.
Os seus erros foi levado para o mar do esquecimento do Senhor.
Deus tem planos belos para o seu futuro.
Deus tem pensamentos maravilhosos ao seu respeito. Jeremias 29.11
Deus não te odeia por você ter se afastado dele .
Deus é amor , queridos.
Ele só quer o seu bem e se você permitir ser conduzido pelo Espírito Santo, te dou a minha palavra que você será levado a um outro nível.
E não tenha medo se na caminhada algumas pessoas te deixar, porque você procurou prosseguir e insistir em viver os sonhos de Deus para sua vida.
Isso pode vir acontecer.
Porque pagamos um preço muita das vezes em fazer o que não é normal ao olhar dos homens, mas como Deus usa as coisas loucas deste mundo para confundir as sabias, não posso fazer nada a não ser orar por aqueles que julgam ou te perseguem.
Que o mesmo Espírito que ressuscitou Jesus dentre os mortos façam eles viver uma vida em Cristo, convencendo eles a mudarem de dentro para fora.
E assim como aqueles que fazem coisas loucas confundindo as sabias sejam estes também aqueles que julgam.
 

A Oração Para Vencer Satanás

Estamos vivendo uma era maligna. Satanás, auxiliado por anjos caídos e demônios, está determinado a roubar e destruir. Se não nos apoiarmos no poder da oração, não seremos capazes de abater o poder de Satanás.
O diabo nunca se preocupou muito com os rituais da igreja – mas tem medo mortal da oração genuína. Quando uma pessoa começa a orar de verdade, começa a descobrir novas e diversas formas de oposição da parte de Satanás.
Satanás é mentiroso e o pai da mentira ele tem prazer em roubar e destruir, mas Cristo nos concede autoridade sobre a obra dele, quando aprendemos a orar.
Para sabermos como a oração pode desbaratar o poder de Satanás, quando ele estiver operando em nossos amigos e antes queridos, precisamos entender o que a Bíblia ensina sobre ele.
Sendo o dirigente do louvor celestial, Satanás tinha acesso a Deus. Isaias diz o seguinte a seu respeito: “ Como caíste do céu o estrela da manha , filho da alva? Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Tu dizias no teu coração e subirei ao céu acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. Contudo serás precipitado para o reino dos mortos, no mais profundo abismo.” (Is 14 . 12 – 15 .).

Doenças e origens

Segundo a psicóloga americana Loise l. Hay, todas as doenças que temos podem ser criadas por nós. Afirma ela, que somos 100% responsáveis por tudo de ruim que acontece no nosso organismo.
"Todas as doenças têm origem num estado de não-perdão", diz a psicóloga americana Louise L. Hay.
Sempre que estamos doentes, necessitamos descobrir a quem precisamos perdoar. Quando estamos empacados num certo ponto, significa que precisamos perdoar mais.
Pesar, tristeza, raiva e vingança são sentimentos que vieram de um espaço onde não houve perdão. Perdoar dissolve o ressentimento.
A seguir, você vai conhecer uma relação de algumas doenças e suas prováveis causas, elaboradas pela psicóloga Louise. Reflita, vale a pena tentar evitá-las:
DOENÇAS / CAUSAS:
AMIGDALITE: Emoções reprimidas, criatividade sufocada.
ANOREXIA: Ódio ao externo de si mesmo.
APENDICITE: Medo da vida. Bloqueio do fluxo do que é bom.
ARTERIOSCLEROSE: Resistência. Recusa em ver o bem.
ARTRITE: Crítica conservada por longo tempo.
ASMA: Sentimento contido, choro reprimido.
BRONQUITE: Ambiente famíliar inflamado. Gritos, discussões.
CÂNCER: Magoa profunda, tristezas mantidas por muito tempo.
COLESTEROL: Medo de aceitar a alegria.
DERRAME: Resistência. Rejeição à vida.
DIABETES: Tristeza profunda.

Entrevista com Lucifer (Texto interessante, de autor desconhecido, que circula pela internet)

 
QUEM O CRIOU?
lúcifer: Fui criado pelo próprio Deus, bem antes da existência do homem. (Ezequiel 28:15)
COMO VOCÊ ERA QUANDO FOI CRIADO?
lúcifer : Vim à existência já na forma adulta e, como Adão, não tive infância. Eu era um símbolo de perfeição, cheio de sabedoria e formosura e minhas vestes foram preparadas com pedras preciosas. (Ezequiel 28:12,13)
ONDE VOCÊ MORAVA?
lúcifer: No Jardim do Éden, e caminhava no brilho das pedras preciosas do monte Santo de Deus. (Ezequiel 28:13)
QUAL ERA SUA FUNÇÃO NO REINO DE DEUS?
lúcifer: Como querubim da guarda, ungido e estabelecido por Deus, minha função era guardar a Glória de Deus e conduzir os louvores dos anjos. Um terço deles estava sob o meu comando. (Ezequiel 28:14; Apocalipse 12:4)
ALGUMA COISA FALTAVA A VOCÊ?
lúcifer: (reflexivo, diminuiu o tom de voz) Não, nada. (Ezequiel 28:13)
O QUE ACONTECEU QUE O AFASTOU DA FUNÇÃO DE MAIOR HONRA QUE UM SER VIVO PODERIA TER?
lúcifer: Isso não aconteceu de repente. Um dia, eu me vi nas pedras (como espelho)e percebi que sobrepujava os outros anjos (talvez não a Miguel ou Gabriel) em beleza, força e inteligência. Comecei, então, a pensar como seria ser adorado como deus e passei a desejar isto no meu coração. Do desejo passei para o planejamento, estudando como firmar o meu trono acima das estrelas de Deus e ser semelhante a Ele. Num determinado dia tentei realizar meu desejo, mas acabei expulso do Santo Monte de Deus. (Isaías 14:13,14; Ezequiel 28: 15-17)
O QUE DETONOU FINALMENTE A SUA REBELIÃO?lúcifer: Quando percebi que Deus estava para criar alguém semelhante a Ele e, por consequência, superior a mim, não consegui aceitar o fato. Manifestei, então, os verdadeiros propósitos do meu coração. ([Isaías 14:12-14)
O QUE ACONTECEU COM OS ANJOS QUE ESTAVAM SOB O SEU COMANDO?lúcifer : Eles me seguiram e também foram expulsos. Formamos juntos o império das trevas. (Apocalipse 12:3,4)
COMO VOCÊ ENCARA O HOMEM?
lúcifer : (com raiva) Tenho ódio da raça humana e faço tudo para destruí-la, pois eu a invejo. Eu é que deveria ser semelhante a Deus. (1Pedro 5:8)
QUAIS SÃO SUAS ESTRATÉGIAS PARA DESTRUIR O HOMEM?

Estudo Bíblico Árvore da Vida X Árvore do Conhecimento

Texto básico: 1 Coríntios 1: 18-25.
Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus. Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos instruídos. Onde está o sábio? Onde, o escriba? Onde, o inquiridor deste século? Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria do mundo? Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que crêem pela loucura da pregação. Porque tanto os judeus pedem sinais, como os gregos buscam sabedoria; mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. (1 Coríntios 1: 18-25 RA) 
Todos os estudiosos acreditam que a Filosofia teve sua origem na Grécia Antiga, Heráclito, Sócrates, Aristóteles e outros filósofos.
Aristóteles é o autor do seguinte lema: “A dúvida é o princípio da sabedoria”.
A definição dada a Filosofia pela Wikipédia
Filosofia (do grego Φιλοσοφία, literalmente «amor à sabedoria») é o estudo de problemas fundamentais relacionados à existência, ao conhecimento, à verdade, aos valores morais e estéticos, à mente e à linguagem. Ao abordar esses problemas, a filosofia se distingue da mitologia e da religião por sua ênfase em argumentos racionais; por outro lado, diferencia-se das pesquisas científicas por geralmente não recorrer a procedimentos empíricos em suas investigações. Entre seus métodos, estão a argumentação lógica, a análise conceptual, as experiências de pensamento e outros métodos a priori. 
Outro grande expoente da Filosofia foi Descartes:

Motivação

“Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã.Salmo 46: 2,5.”
Os projetos e desejos humanos geralmente são guiados por motivações. Neste viés é configurada duas realidades bem distintas entre si: primeiro é ter motivação, a segunda é ser motivado.
A motivação pode ser definida como aquele estado de espírito em que os pensamentos , emoções e vontades são canalizados para um fim proposto, exigindo para isto tradição histórica bem fundamentada, para não ser “levado pelo vento”, que consequentemente se reverterá em desanimo, frustração e desequilíbrio. É algo muito pessoal, ainda que externamente pode ser influenciado, a motivação necessita ser desejada.
Ter e ser são duas realidades distintas, as vezes conflituosas geradora de tensões entre aquilo que se deseja ou o ideal que se almeja com a realidade que se esta vivendo.

Você deseja realmente vencer o estresse?

você vencer o estresse, deixe Deus ser o Senhor da sua vida espiritual, emocional, física e material. Entregue todas as suas preocupações ao Todo-poderoso. Ele o susterá e jamais permitirá que você fique abalado ou desorientado, sem saber o caminho certo a seguir (leia o Salmo 55.22).
Atualmente, a palavra estresse tem sido excessivamente mencionada. Ele é o vilão destruidor da saúde física, emocional e até espiritual para algumas pessoas. Hoje, existem muitos artigos, textos, documentários e muitas entrevistas que dedicam grande parte do seu espaço a conscientizar as pessoas sobre os efeitos maléficos do estresse, além da urgência e da importância de encontrar as soluções para tal problema.
O estresse é de fato um mal dos tempos atuais e da vida agitada nos grandes centros urbanos ou uma possibilidade natural do ser humano, quando exposto a determinadas situações?
O estresse existe independente da época e do lugar. Esta é a chave da questão: o ser humano reage aos acontecimentos da vida de acordo com os fatos, as circunstâncias e a sua subjetividade — o seu padrão interno de reação, o qual varia de pessoa para pessoa, conforme a história de vida de cada uma.
Percebemos pessoas altamente irritadiças, intolerantes e raivosas frente a situações corriqueiras, e outras serenas e ponderadas diante de situações limites. O que faz esta diferença?

E Ele fará novas todas as coisas...

Aquele que estava assentado no trono disse: “Estou fazendo novas todas as coisas!”[Apocalipse 21.5]
Os oito primeiros versículos de Apocalipse 21 são variações do tema da novidade, pois João viu um novo céu e uma nova terra, para os quais descia a Nova Jerusalém. Como consequência, “a antiga ordem já passou” e Deus pôde então declarar: “Estou fazendo novas todas as coisas!” (v. 5). A promessa de um novo universo foi feita primeiramente ao profeta Isaías (Is 65.17; 66.22). O próprio Jesus se referiu a ela como “a renovação de todas as coisas” (Mt 19.28, literalmente “o novo nascimento”), e Paulo escreveu sobre ela como a libertação da criação da escravidão da corrupção (Rm 8.18-25).
É importante, portanto, afirmar que nossa esperança cristã não é de um céu etéreo, mas de um universo restaurado, que se relaciona ao mundo presente pela continuidade e pela descontinuidade. O cristão, individualmente, é uma nova criação em Cristo, a mesma pessoa, porém transformada, e o corpo ressurreto será o mesmo corpo com sua identidade intacta (lembre-se das cicatrizes do Jesus ressurreto), porém revestido de novos poderes. Assim também o novo céu e a nova terra não serão um universo substituto (como se criados de novo), mas um universo regenerado, purificado de todas as imperfeições atuais. João acrescenta o detalhe de que “o mar já não existia” (Ap 21.1), porque ele simboliza a agitação e a separação.

Quem crê em Deus pode ter depressão?

A depressão é uma doença séria que, especialmente nas últimas décadas, tem atingido pessoas de todas as idades, classes sociais, religiões, sendo considerada um mal do século 21. Ela pode levar o indivíduo a um estado de agonia e melancolia profundas e até ao suicídio.
Do ponto de vista médico, a depressão, ou transtorno depressivo maior, é um problema que tem diversas causas e que se apresenta com uma grande variedade de sintomas. Os mais comuns são humor rebaixado, acompanhado de tristeza, angústia e sensação de vazio, e redução da capacidade de sentir satisfação/prazer.
Existem vários tipos de depressão; as mais conhecidas são a depressão maior, a crônica (ou distimia), a atípica, a pós-parto, a sazonal (durante estações do ano), a menstrual e a senil.
A depressão é um problema endógeno (bioquímico e emocional) que altera a forma como a pessoa enxerga a si própria e os outros, interpreta a realidade e manifesta suas emoções. Essa disposição mental normalmente afeta todo o metabolismo da pessoa, podendo diminuir sua imunidade e aumentar a chance de ela desenvolver doenças como infarto, derrame e diabetes, por exemplo.
Trata-se de uma doença de fundo psicobioemocional, que afeta a autoestima e a autoimagem da pessoa, a fisiologia do corpo e da mente dela, comprometendo seu raciocínio, sua memória e concentração.

O segredo da verdadeira liberdade

Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres (Gálatas 5.1a NTLH).
Quando nos tornamos discípulos de Cristo, desenvolvemos as atitudes do verdadeiro seguidor de Jesus, experimentamos o perdão de Deus, que nos liberta do pecado, e passamos a viver pela graça, conforme Gálatas 1.6: Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho.
Por meio de Seu sacrifício na cruz do Calvário, Jesus nos libertou da escravidão do pecado, garantiu-nos o privilégio de sermos filhos de Deus e comissionou-nos para darmos continuidade à Sua missão de implantar o Seu Reino na terra. Nesse Reino, as pessoas são livres para viver o evangelho, que transforma o ser humano no corpo, na alma e no espírito.
O segredo da liberdade que temos em Cristo não é uma licença para pecar, mas uma oportunidade para servir aos outros. Porém, isso só acontecerá quando deixarmos Jesus reinar em nossa vida e formos repletos e transbordantes do Seu amor. Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis, então, da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade (Gálatas 5.13).
O amor é a palavra-chave de toda liberdade sadia. Quem ama vive bem e promove o bem-estar do outro. Porém, somente desfrutará da verdadeira liberdade concedida por Cristo aquele que ama a Deus, ama a si mesmo e ao seu próximo. Em contrapartida, a liberdade sem o amor divino leva à depravação, à perversão, à destruição, à ruína, à corrupção, à desorganização, à sexualidade distorcida e à imoralidade.
Presenciamos no mundo uma falsa liberdade, que não cultiva o amor ao próximo. Esse comportamento gera violências, roubos, assassinatos, calúnias, destruição das famílias e conflitos de relacionamento.

O valor da amizade

Os amigos são vitais em nossa vida. Não podemos viver sem eles. A amizade melhora o nosso bem-estar físico, mental e espiritual. Bons relacionamentos contribuem para mantermos a saúde bem e ainda curam as depressões. Assim como os perfumes alegram a vida, a amizade sincera dá ânimo para viver, Provérbios 27.9.
Não possuir amizades de qualidade é ruim para a saúde, o ânimo, a produtividade e a longevidade de todos nós. Portanto, sempre invista em suas amizades. Elas contribuirão para sua própria felicidade.
Os nossos amigos podem desempenhar alguns papéis em nossa vida que servirão de preciosa ajuda em nossa caminhada. O segredo é não querer que eles sejam perfeitos em todas as áreas. Afinal, nós também não somos.
Tipos de amigos
INCENTIVADORES – são grandes motivadores que sempre impelem você em direção a seus alvos. Possuem interesse genuíno no seu sucesso, mesmo que signifique correr risco por você.
CAMPEÕES – são amigos leais, que ficam ao seu lado como também das coisas em que você acredita. Eles o elogiam em sua presença e ainda “cobrem sua retaguarda”; saindo em sua defesa quando você não está por perto.
COLABORADORES – são aquelas pessoas que têm interesses comuns aos seus. Podem compartilhar com você uma paixão por esportes, hobbies, religião, trabalho, política, comida, filmes, música ou livros.
COMPANHEIROS – estão sempre ao seu lado, sejam quais forem às circunstâncias. Têm um vínculo praticamente indestrutível com você. Quando alguma coisa boa ou ruim acontece na sua vida são as primeiras pessoas para quem você liga.

Poucos compreendem o que seja a graça de Deus

Poucos compreendem o que seja a graça de Deus
A expressão máxima da graça de Deus é a presença de Jesus Cristo no mundo, e tudo quanto, como fruto de sua vida, morte e ressurreição, irrompe como possibilidade para a natureza criada e toda a humanidade
Contam que C.S. Lewis chegou ao auditório de um congresso religioso e observou acalorado debate. Perguntou ao sujeito ao lado qual a razão de tanta discussão. Estão discutindo qual é a distinção do Cristianismo em relação às outras religiões, esclareceu o homem. Simples, comentou Lewis, sem hesitar, a graça de Deus. 
De fato, todas as religiões estão baseadas no esforço pessoal e no princípio da justiça retributiva. Somente o Cristianismo apresenta a possibilidade de um relacionamento entre Deus e os homens além das fronteiras do mérito e demérito. Infelizmente as palavras de Lewis, dos pais do protestantismo, e, pior, uma das afirmações mais categóricas e fundamentais do Novo Testamento se perderam na poeira do fenômeno religião de consumo, onde os deuses disputam melhores lugares nas prateleiras do mercado religioso. Poucos cristãos, ou que se dizem cristãos, compreendem o que seja a graça de Deus. Arrisco, portanto, algumas sugestões.

O semeador e a Palavra de Deus

Certa vez grande multidão de gente, de várias cidades foi ouvir Jesus. Quando estavam juntos, Jesus contou esta história:
- Um homem saiu para semear, e espalhou as sementes pela roça. Algumas caíram na beira do caminho. Dessas, umas foram pisadas pelas pessoas que passavam, e outras os passarinhos comeram.
Outras sementes caíram em terra cheia de pedras. Quando começavam a brotar, logo secaram, porque não havia umidade no chão.
Outra parte das sementes caiu no meio de ervas com espinhos. As ervas cresceram e sufocaram as sementes que brotaram. Mas algumas sementes caíram em terra boa.
As plantas cresceram e produziram cem grãos para cada semente plantada.
Então Jesus falou:
- Prestem bem atenção no que eu disse!
Os discípulos perguntaram a Jesus:
- Mestre, qual o sentido dessa história que o Senhor contou?
E Jesus respondeu:
- Vocês já conhecem os segredos do reino de deus. Mas os outros só ouvem falar sobre o reino por meio de comparações. Assim eles olham, mas não veem; ouvem, mas não entendem. O que a história quer dizer é isto:
- A semente é a Palavra de Deus. As sementes que caíram na beira do caminho são aqueles que ouvem a mensagem de Deus. Mas o demônio chega e tira a mensagem do coração deles, para não deixar que eles creiam e sejam salvos.
- As sementes que caíram no chão cheio de pedras são aqueles que ouvem e recebem a mensagem com alegria. Mas a mensagem não encontra profundidade neles. Eles creem por algum tempo, mas quando chega a tentação eles não tem força para resistir.
- As sementes que caíram no meio das ervas com espinhos são aqueles que ouvem a mensagem. Mas as preocupações, as riquezas e os prazeres desta vida aumentam e os sufocam. E, assim, não chegam a dar fruto.
As sementes que caíram em terra boa são aqueles que ouvem de boa vontade e guardam a mensagem. E continuam fiéis até produzirem frutos.

Textos bíblicos de Marcos 4 Mateus 13, Lucas 8
Litrazini

No Esconderijo do Altíssimo

Um segredo que foi guardado por muitos anos, descoberto e veiculado pela mídia: na Rússia, mais precisamente na capital Moscou, há uma cidade subterrânea com vários quilômetros de extensão, com todo o aparato de uma moderna metrópole movimentada. E, isso foi descoberto bem debaixo da famosa Praça Vermelha.
Sabemos que os japoneses constroem modernas cidades submarinas por falta de espaço habitacional, devido a sua grande densidade demográfica e, também projetam e constroem edifícios altamente sofisticados e resistentes a terremotos, com altitudes impressionantes, que chegam mesmo até às nuvens.
A NASA não divulga, e, portanto, poucos sabem, que as constantes viagens espaciais dos Estados Unidos têm um objetivo específico: conseguir locais no espaço para a habitação daqueles que são mais afortunados e privilegiados.
Bom, você pode pensar, e daí? Afinal, o homem avançou muito em tecnologia nas últimas décadas e hoje praticamente nada nos surpreende. Todavia, o que poucos não sabem, ou desconhecem completamente, é que todas essas notícias acima (e muito mais) já estavam previstas há milhares de anos.
Como? Onde?

A água da vida

“... Eu vim para que tenham vida”(João 10.10)
A busca humana por vida é ansiosa e, quase sempre, frenética! Sabemos que algo está errado quando nossa vida se torna aprisionada pelo casulo da falta de sentido. Desejamos, então, libertar-nos deste aprisionamento de uma vida massificada, insípida, sem cor e paradoxalmente “sem vida”.
Precisamos de vida! Carecemos de vida! Ansiamos por vida! Tal necessidade é a mais forte que se impõe sobre nós! Há um desejo incontido de se viver uma vida autêntica e não apenas existir; de “ser” e não apenas “estar” ou ser reduzido ao “ter”.
Esta sede de vida faz com que procuremos por uma fonte que jorre a água capaz de dessedentar-nos. Nesta busca pela fonte, contudo, logo descobrimos que inclusive neste âmbito há muita propaganda enganosa. A experiência frustrante com as fontes que não dessedentam nossa sede vida faz com que nos acostumemos com o “quase” ou que desistamos da busca.

Quais são os sinais do fim dos tempos?

Mateus 24:5-8 nos dá algumas indicações importantes para que possamos discernir a aproximação do fim dos tempos:“Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores.” Um aumento de falsos messias, um aumento de guerras e aumento em fomes, pragas, desastres naturais: estes são “sinais” do fim dos tempos. Mas mesmo nesta passagem, entretanto, estamos sendo advertidos. Não devemos nos deixar enganar(Mateus 24:4), pois estes acontecimentos são apenas o“princípio de dores” (Mateus 24:8), e o fim dos tempos ainda está por vir (Mateus 24:6).

Como discernir a voz de Deus da voz do “profeta” que insiste em entregar-nos uma “revelação”?

De vez em quando, costumamos ouvir relatos do tipo: “O profeta fulano de tal disse que eu deveria abandonar meu emprego, e ir para outro país servir a Deus como missionário. Eu obedeci, e todas as portas se fecharam para mim”; ou “a irmã Doquinha profetizou que eu deveria casar com aquele rapaz. Então, terminei o meu noivado com o homem que eu amava, e agora estou sozinha e amargurada”.
Quantos novos convertidos e cristãos que valorizam mais a experiência espiritual de outrem do que a Palavra de Deus e o testemunho do Espírito Santo no seu coração já se deram mal por darem ouvidos a “profetadas” e “visagens” de pessoas que se autointitulam “profetas”, sem o serem?

De Deus não se Zomba

O homem pode andar na contramão de Deus. Mas, um dia terá que prestar contas de suas zombarias perante o Justo Juiz!
Com a amplitude da perdição da natureza humana, exagero eu aqui, imaginando o seguinte viaja comigo… Se numa floresta, fria das colinas da Sibéria, num universo animal nasce um bebê urso e seus pais, seu Ursolino e Dona Ursolina resolvem resistir à natureza, não preparando, nem educando o seu pequeno filhote para a natureza feroz e implacável daquele ambiente selvagem, Ursolino Júnior nasce sem saber se será ursinho ou ursinha, macho ou fêmea?
Para sobreviver, seus pais preferem seguir o ‘let be’, ‘deixa ser’, ‘deixa acontecer’; ele dará conta disso, (ou o mundo dará conta dele)? Ursolino poderia vir a ter uma crise de identidade? Alguém ainda tem alguma dúvida? De repente uma loucura para o reino animal, não é verdade? É só uma historinha. Mas, e se fosse verdade?? Pois, é… segundo o mundo perdido dos humanos, isso é absolutamente normal. No mundo dos humanos isso já está acontecendo. Como ministro do evangelho, digo: estamos assistindo a um episódio de inversão de valores divinos jamais apreciado na terra!
Outro dia, li e copiei para o meu histórico de palestras, uma matéria muito triste em que a Europa autorizava os cartórios, a facultativamente, efetuarem o registro da natureza sexual do bebê, deixando para o mundo perdido decidir qual deverá ser o futuro sexo da criança, num futuro século de vida de uma suposta “liberdade” na terra!

O VALOR DAS ESCRITURAS NA FORMAÇÃO DO CARÁTER.

As Escrituras são sinônimo de Lei, no Salmo 1. Ele mostra que o homem tem opções entre dois caminhos, que levam a duas atitudes e a duas conseqüências. A chave do Salmo é a busca pela felicidade. A educação religiosa é tarefa de levar o homem a ter uma consciência de escolha e não fazer a escolha por ele. A felicidade não é automática, mas é fruto da vida que começa com uma escolha correta.
O que não se deve fazer para conseguir a felicidade
Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha. Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. (Sl 1.1,4,5).
Há os que escolhem o caminho negativo para a busca da felicidade. Começam por andar no “conselho dos ímpios”, ou seja, aceitando sua forma de pensar. É uma maneira sutil de tentação em que a pessoa é atraída pelas idéias bonitas e convidativas e passa a achá-las naturais e normais. Numa vida em sociedade, com as muitas pressões, as pessoas são pressionadas a pensarem como as outras.

Viva Melhor e mais Feliz!

Todas as pessoas experimentam conflitos relacionais. Alguns conflitos não podem ser modificados. Mas jamais poderemos transformar os conflitos em algo positivo até que os enfrentemos.
Fugir dos conflitos não é a solução. O poeta português Luis de Camões afirmou que não se aprende na fantasia, sonhando, imaginando ou estudando somente. Aprendemos vendo, tratando e pelejando.
Prevenir é sempre o melhor remédio. Devemos aprender a não perpetuar os mesmos erros de pessoas insensíveis e irredutíveis que, de contínuo, ferem e causam infelicidade àqueles que convivem com elas. Conflitos são, até certo ponto, normais. Ninguém pode viver inteiramente livre deles.
Na verdade, não são os conflitos que acabam com as melhores ou piores relações. O que determina o fim do relacionamento são as atitudes e decisões que tomamos diante das discórdias.
"Um relacionamento que dá certo é um edifício que tem que ser construído todos os dias." Thomas Fuller
Quem age motivado pela ira, mentira, amargura, irritabilidade e infidelidade, jamais é feliz.
É a paz que alicerça o amor, e não a ira.
É a verdade que promove a confiança, e não a mentira.

Perdão: estratégia para restauração

A estratégia de Deus é o perdão.Ele deseja restaurar relacionamentos quebrados.
“Perdão é graça, capacidade de oferecer aos outros e a si mesmo liberdade, uma memória sem mágoas, sem as marcas do ressentimento”.Gleden Prates
Muitas pessoas sofrem por não dar e também não aceitar o perdão. Casais chegam ao divórcio por falta de perdão, estão tão magoados que não vislumbram uma luz no final do túnel.
A estratégia de Deus é o perdão. Ele deseja restaurar relacionamentos quebrados.
A falta de perdão traz como consequências a amargura, o ódio, o ressentimento, a vingança, o assassinato, a culpa, o complexo de inferioridade, a autopiedade, a baixa autoestima, a falta de amor próprio, a vergonha e até o suicídio. Os males são a si mesmo e ao próximo.
Em relação a Deus a falta de perdão traz dúvida, vazio interior, incredulidade e rebelião.
Uma vida sem perdão é cheia de contendas, confusão. Em Provérbios 10:12 diz: “ O ódio excita contendas, mas o amor cobre todas as transgressões.”
Uma pessoa que não perdoa vive no engano, atormentada, cheia de tristeza e não prospera.
A falta de perdão contamina outros com seu ódio, todos percebem que o ambiente fica pesado, pior que isso, a falta de perdão interrompe a comunicação com Deus.

Mau Humor

O mau humor chega a nós com tanta facilidade que geralmente nem o percebemos. Mas ele é justamente o antônimo da ação de graças; o protesto é o antônimo da confiança.
Há dicionários que definem protesto como acusação. Quando nós nos queixamos, protestamos ou resmungamos, estamos na realidade, acusando a Deus de estar dirigindo mal os acontecimentos do dia. A atitude de louvar liberta o poder de Deus para agir em nossa vida. Os murmúrios e as queixas bloqueiam tal poder. “Queixou-se o povo de sua sorte aos ouvidos do Senhor: ouvindo-o o Senhor, acendeu-se-lhe a ira...” (Nm 11.1).
A incredulidade é a raiz de cada pequena queixa, ela é um insulto muito sério dirigido a Deus. Se deixarmos de lado o pecado da incredulidade, resmungos, murmúrios e queixas e termos perfeita confiança em Deus, nós poderemos, pela fé, descansar no Senhor.
Depois de termos feito um acordo com Deus de que não resmungaremos mais, e, agradecer-lhe por todas as coisas que antes nos faziam resmungar, podemos esperar que ele opere. Nós mesmos não podemos nos transformar de resmungadores incrédulos em crentes joviais e agradecidos. A mudança tem que ser feita por Deus. Porém a decisão de parar de resmungar, e, agradecer é nossa.
O nosso papel é ficar com os olhos fixos em Jesus e agradecer a Deus pela sua capacidade de agir. No dia a dia, vamos descobrir que Deus fará com que nos defrontemos exatamente com as circunstâncias que costumavam provocar nosso mau humor. Quando isso acontecer, agradeçamos e louvamos a Deus, porque ele está usando essas circunstâncias para nos mudar. Antes, elas nos afastavam de Deus, agora, nos mostrarão o poder de Deus; servirão para aumentar a nossa fé.

A Função de Cada Conjuge

É muito importante mostrar com clareza as funções que Deus designou para o homem e para a mulher dentro do casamento. A confusão existente sobre as funções de cada um é a causa principal de muitos conflitos conjugais.
Deus deu a cada cônjuge ( cônjuge vem da palavra jugo, significa levar juntos o mesmo jugo ), um posto de serviço diferente do outro, nem superior nem inferior, mas diferente. Para conseguir harmonia na vida familiar é essencial que os esposos conheçam e aceitem seu próprio papel e o de seu cônjuge.
Deus criou e programou o homem e a mulher para o desempenho eficaz de sua funções. A psicologia, a anatomia, a sexualidade, a afetividade e a espiritualidade de ambos são diferentes Estas diferenças fazem com que se completem um ao outro, já que foram determinadas intencionalmente por Deus para o adequado desempenho da função de cada um.
Longe de competir ou ignorar as diferenças, admiremos a graça, o encanto e as capacidades que Deus deu à mulher, e a visão, a força e as aptidões com que dotou o homem.
I - As Funções e o Propósito de Deus
Já mostramos, anteriormente, que o propósito da família é cooperar com Deus para que Ele tenha uma família de muitos filhos como Jesus. Portanto, esse há de ser o objetivo de todo casamento cristão e não seu próprio bem estar e prazer. As funções que Deus designou para o homem e para a mulher visam atingir esse objetivo.

Como devemos agir com os escarnecedores?

Em nosso cotidiano, temos contato com pessoas das mais diversas crenças e valores. Dentre estas pessoas, temos os chamados escarnecedores.

Mas, o que significa “escarnecer”?
Escarnecer significa fazer escárnio, ridicularizar, zombar, conforme o dicionário online de português (http://www.dicio.com.br/escarnecer/).
E como devemos agir com os escarnecedores, que zombam de Deus e das Escrituras Sagradas? É o que veremos abaixo.
No Salmo 1:1 está escrito: “Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores”. Através deste versículo, aprendemos que não devemos perder tempo com os escarnecedores.
Procurem evitar, na medida do possível, o convívio com os escarnecedores. Quem escarnece só sabe zombar das coisas de Deus e se nós ficarmos muito tempo na presença dos escarnecedores, poderemos perder a paciência com eles.
Como a Bíblia diz que devemos seguir a paz com todos (Hebreus 12:14), então, no que se refere aos escarnecedores, a melhor forma de vivermos em paz com eles, é evitando o contato.

O compromisso com o evangelho da graça

O apóstolo Paulo foi levantado por Deus para ser o maior teólogo, o maior missionário e o maior plantador de igrejas da história do cristianismo. Ele foi um desbravador do evangelho, um bandeirante do cristianismo, um embaixador de Cristo, um arauto do Rei dos reis. Plantou igrejas nas províncias da Galácia, Macedônia, Acaia e Ásia Menor.
Por sua influência, igrejas se espalharam em todo o mundo Oriental e Ocidental. Sua conversão foi um grande milagre, sua vida foi uma grande cruzada em favor da evangelização e sua morte foi uma profunda demonstração de coragem.
Quando Paulo despediu-se dos presbíteros de Éfeso, fez um dos mais belos discursos de sua carreira. Com palavras eloquentes, desafiou os líderes daquela igreja a assumirem um compromisso solene com Deus, com a Palavra e com a igreja.
Para encorajá-los, deu seu próprio testemunho, como segue:"Porém, em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus" (At 20.24). No texto em apreço, três verdades são destacadas:
Em primeiro lugar, o ministério não é conquistado por mérito, mas recebido por graça. 
"… O ministério que recebi do Senhor Jesus…". Paulo foi um homem vocacionado. Foi chamado por Cristo para desempenhar o ministério. Ele não se auto-intitulou apóstolo. Ele não se colocou-se num pedestal de liderança nem acendeu os holofotes sobre si mesmo. Sua vocação foi celestial. Ele ouviu a voz divina e a obedeceu.

Divórcio à Luz da Bíblia

O divórcio deve ser empregado apenas em última instância, quando o adúltero não demonstrar arrependimento genuíno repetindo esse ato vil que abala a confiança do cônjuge, machuca-o e desestrutura o vínculo conjugal.
O índice de divórcios no Brasil cresce a cada ano. É comum ver casais que se casam rapidamente e se separam em uma velocidade maior ainda.
Divórcio não é algo recomendado por Deus e nem que O agrada, mas, à luz da Bíblia, há uma circunstância em que o divórcio é permitido.
O padrão divino para o casamento é, segundo as palavras de Jesus, que seja indissolúvel (Marcos 10.9). Mas há uma larga diferença entre o ideal e o real. Logo, conhecendo a dureza do coração humano e seus problemas de relacionamento, Deus permitiu exceções ao Seu projeto inicial, especialmente em casos de violência doméstica, abusos emocionais e sexuais e casos contumazes de adultério.
Quando foi indagado a respeito de o divórcio ser ou não permitido segundo a Lei mosaica, Jesus explicou: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério. Mateus 19.8,9

Troque o choro da noite pela alegria da manhã

“O choro pode durar uma noite; pela manhã, porém, vem a alegria.” (Salmos 30:5)
Deus não se cansa de mostrar e provar que podemos confiar nEle e que só Ele pode tirar toda mágoa, dor e pesar dos nossos corações. Deus prova e mostra isso a todo instante para nós, mas não vemos, ou não queremos ver.
Nossas forças nunca serão suficientes para vencer todas as batalhas que encontramos no decorrer de nossas vidas. Deus nos conhece e sabe exatamente onde dói, ele vê o nosso choro, vê nossas lamentações e não nos desampara. Ele é o nosso despertar e o amanhecer em meio às trevas, escuridão e sofrimento.
Deus é a luz, a nossa alvorada e, para entender um pouco melhor a superioridade e imensidão do amor divino é fundamental saber do próprio Pai ...
Porque Deus nos escolheu 
“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos conceda”. (João 15.16)
“Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia.” (Jo.6.44)
“... Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores...”(Romanos 5.6,8,10)
“...Assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor.”(Ef. 1.3,4)

Orgulho e Ambiente Propício para a Manipulação Satânica

Os Evangelhos de Mateus e Marcos afirmam que, certo dia, Simão Pedro declarou a verdadeira identidade de Jesus como o Filho de Deus pela revelação do Espíri­to Santo e recebeu um elogio de Jesus por ter tido tal discernimento.
Em seguida, Jesus anunciou que morre­ria, mas ressuscitaria, e Pedro o repreendeu por dizer es­sas palavras! Ele disse: "Isso nunca acontecerá com você ”! (Mateus 16.15-23) As palavras religiosas de Pedro pareciam boas. Tinham o caráter da verdadeira devoção e sinceridade, mas eram diabolicamente falsas.
O orgulho e a presunção de Simão Pedro criaram uma atmosfera oportuna para uma visita de Satanás. O inimigo juntou-se à mesa em que jantavam e usou o confiante Pedro para proclamar as expectativas do inferno.
Satanás deve ter rido em silêncio quando Pedro disse a Jesus, o Messias, que ele não estava certo ao di­zer que morreria na cruz. As palavras mal acabaram de sair da boca de Pedro quando Jesus o confrontou.

A escola do deserto



Deus treina seus líderes mais importantes na escola do deserto. Moisés, Elias e Paulo foram treinados por Deus no deserto. O próprio Jesus antes de iniciar o seu ministério passou quarenta dias no deserto. O deserto não é um acidente de percurso, mas uma agenda de Deus, a escola de Deus. É o próprio Deus quem nos matricula na escola do deserto.
O deserto é a escola superior do Espírito Santo, onde Deus trabalha em nós antes de trabalhar através de nós. Deus nos leva para essa escola não para nos exaltar, mas para nos humilhar.
Essa é a escola do quebrantamento, onde todos os holofotes da fama se apagam e passamos a depender total e exclusivamente da graça de Deus e da provisão de Deus e não dos nossos próprios recursos.
Destacaremos, aqui, três verdades importantes:
1. Na escola do deserto aprendemos que Deus está mais interessado em quem somos do que naquilo que fazemos
Deus nos leva para o deserto para falar-nos ao coração.
No deserto ele nos humilha não para nos destruir, mas para nos restaurar.
No deserto, Deus trabalha em nós antes de trabalhar através de nós, provando que ele está mais interessado em nossa vida do que em nosso trabalho.

ESTA CASA PERTENCE AO SENHOR JESUS

Algum tempo atrás, ouvi uma história que me trouxe reflexão. Estávamos em um acampamento da II Igreja Presbiteriana Renovada, e um dos jovens nos relatou a seguinte história:

Certa vez uma pessoa, que vamos chama-lo de “irmãozinho”, gostava de ficar convidando pessoas para irem a sua igreja. Gostava de se fazer de verdadeiro servo, chegando ao ponto de comprar uma tinta e pintar no muro da sua casa: “ESTA CASA PERTENCE AO SENHOR JESUS”.
O “irmãozinho” tinha um vizinho que morava de frente da sua casa, e que pasmo assistiu o “irmãozinho” pintando no muro os dizeres citados acima. E o “irmãozinho” não perdia tempo, já foi logo dizendo: - Vizinho, você precisa ir na minha Igreja! Rapaz... O que é aquilo?! Olha, lá você vai ser tocado, transformado e vai conhecer o poder de Deus. O louvor é lindo, as pessoas são boazinhas e todo mundo é abençoado $$ !!! Rsrsrs.
O vizinho agradeceu o convite e disse ser muito feliz na sua religião. Mas a verdade era que, o “irmãozinho” não era uma pessoa com conduta correta, que realmente pudesse dar um verdadeiro testemunho da sua fé no seu modo de agir. Ao chegar em casa, fechava o portão e se transformava. Falava palavras de baixo calão, ofendendo sua esposa e filhos, e não uma nem duas vezes chegou ao ponto de bater em sua esposa, e como o escândalo foi muito grande, quem morava perto conseguiu ouvir toda aquela baixaria.
E o vizinho ficou indignado não só com o convite, mas também com o que acabara de ler que fora pintado por seu vizinho... – Casa do Senhor Jesus?